MENU COM SUBMENU

terça-feira, 7 de novembro de 2017

BRASILEIRO SÉRIE B: Náutico 1x3 Paysandu

Foto: Paullo Allmeida
Matematicamente, o Náutico não está rebaixado à Série C, mas a derrota por 3x1 diante do Paysandu, nesta terça (7), na Arena de Pernambuco, praticamente selou a quase inevitável queda do clube na Série B 2017. Ainda faltam quatro jogos e, vencendo todos, o clube, na 19ª posição com 31 pontos, terá remotas possibilidades de escapar do pior. Mas é difícil manter qualquer tipo de esperança após tantas reações frustradas pela limitação técnica do time.

Pela primeira vez na temporada, o Náutico conseguiu entrar em campo com a mesma escalação por dois jogos seguidos. Do outro lado, o Paysandu tinha um trio de ataque de velhos conhecidos dos alvirrubros: Caion, Bergson e Juninho, todos ex-atacantes do clube. O último, inclusive, iniciou a temporada pela equipe pernambucana.

O Náutico tinha e dava espaço para atacar. Com William, os mandantes tiveram duas grandes chances de abrir o placar. Na primeira, o centroavante, na cara do gol, chutou em cima de Emerson. Na segunda, a zaga cortou na hora da finalização. E sempre que um ataque dava errado, o Timbu sofria com os contragolpes rápidos do Papão.

Em um jogo tão aberto, qualquer um dos times poderia marcar. E em menos de um minuto, ambos conseguiram. Primeiro o Paysandu. Diego Miranda saiu jogando errado e Bergson aproveitou para chutar cruzado e fazer valer a “lei do ex”. Antes mesmo que os alvirrubros pudessem digerir o baque, veio o empate. Perema tentou recuar de cabeça e marcou gol contra. Antes do intervalo, os paraenses ainda assustaram em chute de Guilherme que carimbou a trave esquerda de Jefferson.

Com Iago na vaga de Diego Miranda, o Náutico voltou mais ofensivo na segunda etapa. A distribuição de jogadas ainda era precária, principalmente o último passe. Não foram poucos os lançamentos que tentavam fazer ligação direta entre defesa e ataque. No momento em que o Timbu mais precisava manter o equilíbrio, veio o revés. Fábio achou Caion livre de marcação para recolocar os paraenses à frente do marcador.

Com Leílson na vaga de Amaral, Roberto Fernandes apostou no “abafa”, abrindo mão de um volante e jogando o Náutico todo para o ataque. Afobado, o Timbu errava lances bobos e só deixava os torcedores ainda mais nervosos. Faltava paciência de ambos os lados.

Sem forçar para reagir, o Náutico mostrou que a limitação técnica foi superior ao esforço. Ainda deu tempo para Caion, nos acréscimos, fazer mais um para decretar o 3x1 no placar. Apático, o Timbu acumulou mais uma decepção na Série B. Para muitos, o jogo que marcou moralmente o rebaixamento à Série C.


FolhaPE

Nenhum comentário:

Postar um comentário